domingo, 07 de abril de 2019 - 09:22h
Hospital da Mulher disponibiliza ambulatório para pacientes com distúrbio na gravidez
Na gravidez molar, a placenta e o feto não se desenvolvem adequadamente e surge um tumor. Entre 2017 e 2018 número de casos aumentou 305 no Amapá%.
Por: Claudia Cavalcanti
Foto: Claudia Cavalcanti
Ginecologista Nirce Carvalho orienta sobre cuidados médicos às pacientes diagnosticadas com gravidez molar

O Hospital da Mulher Mãe Luzia (HMML) criou um ambulatório para pacientes que sofrem de gravidez molar, distúrbio raro que ocorre em duas ou três de cada 1000 gestações segundo a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

A ginecologista Nirce Carvalho explica que a mola é um distúrbio da gravidez em que a placenta e o feto não se desenvolvem adequadamente e surge um tumor, que na maioria dos casos é benigno, conhecido como mola.

Isso é causado por um desequilíbrio genético que pode ocorrer quando um óvulo é fecundado por dois espermatozoides ou quando o óvulo não tem material genético suficiente, em uma gravidez normal. O óvulo fertilizado contém 23 cromossomos do pai e 23 da mãe, no caso da gravidez molar, o embrião não possui todos os pares de cromossomos.

Há duas modalidades de mola: a completa e a parcial. A mola completa é quando o feto não chegou a se desenvolver, existe apenas a placenta e o tumor, já na parcial existe o feto parcialmente desenvolvido, a placenta e o tumor.

"Quando deveria acontecer o desenvolvimento do bebê é a mola que se desenvolve. Nos casos em que há a presença do feto, ele sempre vai a óbito", completa Nirce Carvalho.

Em 2017 foram 19 atendimentos no Hospital da Mulher Mãe Luzia, em 2018 esse número subiu para 58, representando um aumento de 305%. Se não tratada a gravidez molar pode ser fatal para a mulher, pela hemorragia e anemia causadas pelo sangramento excessivo, alerta a ginecologista.

Diagnóstico

O diagnóstico acontece principalmente através da ultrassonografia, onde é detectada a presença do tumor, e em outras, casos quando o abdômen tem um crescimento anormal e muito rápido, não combinando com a idade gestacional. Outros sintomas são os níveis elevados de Beta HCG, enjôo e vômitos intensos e sangramento.

Não existem fatores que possam gerar uma pré-disposição à doença, nem uma faixa etária de maior risco. Pode afetar tanto mulheres que já engravidaram antes quanto aquelas que estão na sua primeira gestação.

Tratamento

Ao ser identificada a mola, é feita a curetagem, após isso é feita a análise histopatológica, caso seja confirmado o diagnóstico de mola, a paciente vai ser encaminhada para o ambulatório, para fazer acompanhamento dos níveis de Beta HCG que devem zerar após a retirada do tumor. Com os níveis zerados a paciente ainda deve aguardar 1 ano para engravidar.

"Recomendamos esse período porque se ela engravida logo após, a gravidez molar pode se repetir por causa do excesso de Beta HCG que ajuda no desenvolvimento do tumor", explica a ginecologista Nirce Carvalho.

Nos casos raros em que os níveis de Beta HCG não diminuem, a paciente corre o risco de desenvolver coriocarcinoma, conhecido como o câncer da placenta. Nesses casos ela é encaminhada para tratamento quimioterápico na Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) do Hospital de Clínicas Dr. Alberto Lima (Hcal). No entanto, esta evolução é pouco frequente: cerca de 20% das molas completas e menos de 1% das molas parciais.

 
NEWSLETTER

Receba nossas notícias em seu e-mail ou celular.

SESA - Secretaria da Saúde
Av. FAB n° 069 - Centro. CEP: 68908-908. Macapá-Ap - (96) 2101-8551 - infosaude@saude.ap.gov.br
Site desenvolvido e hospedado pelo PRODAP - Centro de Gestão da Tecnologia da Informação
2017 - 2019 Licença Creative Commons 3.0 International
Amapá